quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Operação Caturra | Polícia Federal em Londrina/PR

PF faz operação para combater tráfico de drogas no PR e no RS
Operação é realizada em cinco cidades do PR e, em Lajeado, no RS.
Devem ser cumpridos 8 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão.


A Polícia Federal (PF) realizada, desde a madrugada desta quarta-feira (14/08/2013), uma operação para combater o crime de tráfico de drogas em Londrina, Ibiporã, Cambé, Sertanópolis, no norte do Paraná, em Foz do Iguaçu, na região oeste e, em Lajeado, no Rio Grande do Sul. 

Ao todo, devem ser cumpridos oito mandados de prisão e 16 de busca e apreensão. De acordo com a PF, a quadrilha é suspeita de utilizar o dinheiro arrecadado com a venda de drogas para a compra de veículos, que eram trocados por mais entorpecentes em transações na região de fronteira com o Paraguai. Setenta policiais participam da operação. 

 Ainda segundo a PF, o grupo é investigado desde que fevereiro deste ano. Desde então, 12 pessoas foram presas e foram apreendidos aproximadamente 600 quilos de maconha, 60 quilos de crack, 275 munições e 01 arma de fogo. 

A ação foi batizada de 'caturra' e faz alusão à continuidade de atuação da quadrilha mesmo após as apreensões de drogas e vários de seus integrantes terem sido presos pela PF. Segundo os policiais, o nome caturra foi escolhido porque, em linguagem popular, significa 'teimoso'.

Fonte: G1

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Dilma vetou integralmente PLS 244, de 2009


Segundo o TWITTER da Presidência da República, a Presidenta Dilma sancionou o PLS 244, de 2009, que dispõe sobre a condição de perito oficial dos papiloscopistas em suas perícias específicas e dá outras providências.

 "Imprensa Presidência ‏@imprensaPR 2h Amanhã no DOU, 2 Projetos sancionados com vetos: PL 39/13 (anticorrupção), com 3 vetos; e o da carreira dos Papiloscopistas, com 1 veto"

 (@imprensaPR - Secretaria de Imprensa da Presidência da República traz informações sobre a agenda da presidenta Dilma Rousseff em todo o País. Brasil · www2.planalto.gov.br/imprensa)

CORREÇÃO!!!

Senhor Presidente do Senado Federal,

Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do § 1o do art. 66 da Constituição, decidi vetar integralmente, por inconstitucionalidade, o Projeto de Lei no 244, de 2009 (no 5.649/09 na Câmara dos Deputados), que "Dispõe sobre a condição de perito oficial dos papiloscopistas em suas perícias específicas e dá outras providências".

Ouvidos, os Ministérios da Justiça, do Planejamento, Orçamento e Gestão, da Fazenda e a Advocacia-Geral da União manifestaram-se pelo veto ao projeto conforme as seguintes razões:
"O projeto de lei é inconstitucional, uma vez que, mesmo não sendo de iniciativa do Presidente da República, dispõe sobre regime jurídico de servidores públicos, contrariando o disposto no art. 61, § 1o, II da Constituição. Além disso, também de maneira inconstitucional, o projeto invade competência dos Estados, em violação ao princípio federativo, ao tratar de regras relativas à organização da polícia civil."

Essas, Senhor Presidente, as razões que me levaram a vetar o projeto em causa, as quais ora submeto à elevada apreciação dos Senhores Membros do Congresso Nacional.
 

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Echelon Prism NSA

O governo brasileiro já reconheceu por duas vezes, em 2001 e em 2008, que os EUA comandavam um sistema de coleta de informações que tinha a capacidade de "intromissão em comunicações eletrônicas" em todo o mundo.

Em depoimento prestado em 2001 à Câmara dos Deputados, o então ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência no governo FHC (1995-2002), general Alberto Cardoso, disse aos parlamentares que os EUA desenvolveram um projeto, com o nome código de Echelon, em associação com Reino Unido, Irlanda, Austrália, Canadá e Alemanha.

O projeto tinha a capacidade de interceptar comunicações por e-mail, voz e fac-símile, segundo um relatório do Parlamento Europeu daquele mesmo ano. Segundo o general, além do Echelon, também tinham capacidade invasiva os governos de França, Itália e Rússia.


O sistema Echelon também era controlado pela NSA (Agência de Segurança Nacional), hoje foco de novas denúncias a partir de vazamentos feitos pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.

Em depoimento prestado ao Congresso em 2008, no governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), o engenheiro eletrônico Otávio Carlos Cunha da Silva, diretor do Cepesc (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento para Segurança das Informações) da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), confirmou aos parlamentares: "O Echelon intercepta todas as comunicações. [...] E não há só um Echelon, há o Echelon americano, o Echelon europeu".

Indagado por um deputado sobre que tipo de informação poderia ser captada pelo sistema, Silva explicou que era toda comunicação "que está no ar", em "satélites, links de micro-ondas, torres".

Silva indicou que o GSI havia estudado o Echelon: "Esse equipamento envolve seis países, é uma rede de países. A gente até poderia fazer uma apresentação depois sobre isso. Mas é uma rede de países envolvidos, com uma rede de supercomputadores envolvidos, com um volume de recursos absurdamente envolvidos para esse processo".

RELATÓRIO EUROPEU

O Echelon foi, em 2001, alvo de uma ampla investigação no Parlamento Europeu, aberta após reportagens publicadas pela imprensa europeia ao longo da segunda metade da década de 90. A apuração acabou por comprovar a existência do sistema.

No relatório final de 198 páginas, há vários depoimentos de antigos funcionários do governo americano que confirmam a atuação do sistema desde os anos 70 pelo menos.

Há, porém, indicações de que ele foi criado em 1948, quando da assinatura do acordo de cooperação de inteligência "UKUSA", do tipo "Sigint", sigla que indica espionagem de 'sinais inteligentes', de comunicações e eletrônicos, assinado por Reino Unido, EUA, Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

Segundo o relatório, o Echelon foi usado pelos EUA para colaborar com a empresa americana Raytheon por ocasião da disputa, lançada pelo governo brasileiro, por serviços e equipamentos para o sistema de vigilância da Amazônia, o Sivam. Os americanos venceram a disputa.

Desde 2008 o blog PACÓVIO fala do ECHELON e do monitoramento das comunicações globais!

terça-feira, 18 de junho de 2013

Cocaína fundo falso Fusion em Londrina - Polícia Federal

PF apreende 11,6 kg de cocaína em Fusion na PR-445, em Londrina

A Polícia Federal apreendeu 11,6 quilos de cocaína nessa segunda-feira (17/06/2013). O flagrante foi efetuado no posto da Polícia Rodoviária Estadual de Londrina, na PR-445, durante uma abordagem a um Ford Fusion.

O veículo com placas de Assaí (43 km de Londrina) seguia pela rodovia quando foi parado. Os policiais passaram a vistoriar o carro, focando em locais geralmente utilizados para o armazenamento de drogas e realmente constataram a presença de cocaína na longarina.

A estrututa metálica do veículo é oca e foi utilizada para abrigar os 11 tabletes da droga, que estava enrolada em plásticos coloridos. O motorista R.L.P., 33 anos, recebeu voz de prisão em flagrante por tráfico de drogas e foi encaminhado à Delegacia da Receita Federal.

O morador de Assaí não informou onde entregaria a droga, fato que será apurado pelo inquérito policial aberto para apurar o caso.

Fonte: O Diário

FUNDO FALSO

A Polícia Federal (PF) de Londrina apreendeu ontem 12 quilos de cocaína que estavam escondidos em um fundo falso de um veículo Fusion, com placas de Assaí, no posto da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), na PR-445, na saída para Curitiba. De acordo com o delegado Guilherme de Biagi, a PF recebeu uma informação anônima e fez o acompanhamento do veículo. Com o auxílio de cães da PM, a droga foi localizada. O condutor confessou que adquiriu o entorpecente no Paraguai e o levaria até Assaí (Região Metropolitana de Londrina). O homem foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.(Lucio Flávio Cruz/Reportagem Local)


Polícia Federal apreende 11,6 quilos de cocaína na PR-445

A Polícia Federal (PF) de Londrina apreendeu 11,6 quilos de cocaína que estavam escondidos em um fundo falso de um veículo Fusion, com placas de Assaí, no posto da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), na PR-445, na saída para Curitiba.


De acordo com o delegado Guilherme de Biagi, a PF recebeu uma informação anônima e fez o acompanhamento do veículo. Com o auxílio de cães da PM, a droga foi localizada. O condutor confessou que adquiriu o entorpecente no Paraguai e o levaria até Assaí. O homem foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.(com informações de Lucio Flávio Cruz, da Folha de Londrina)

Fonte: Bonde News

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Prisão de Traficantes em chácara de Londrina/PR | Polícia Federal

Londrina: PF apreende meia tonelada de maconha em chácara

Pelo menos 500 quilos de maconha foram apreendidos pela Polícia Federal (PF) no início da noite desta quinta-feira (09/05/2013) em uma chácara localizada na zona sul de Londrina, na região do conjunto União da Vitória, saída para Curitiba. A apreensão é resultado de um trabalho de investigação que teve início no final do ano passado. Cinco pessoas, suspeitas de participação no esquema de tráfico de drogas, foram presas. Um caminhão e pelo menos cinco carros também foram apreendidos pela polícia.

Metade da meia tonelada de maconha já estava armazenada nos carros. O restante estava escondido em um depósito que fica dentro da chácara. "Vale lembrar que isso é só o que conseguimos apreender. Uma parte do que alimentava um esquema grande e organizado", destacou o delegado da Polícia Federal em Londrina, Elvis Secco.

Segundo ele, os traficantes usavam o caminhão para trazer a droga de Foz do Iguaçu. "A maconha era usada para abastecer pontos de tráfico localizados em Londrina, em cidades da região e até o estado de São Paulo", contou.

"O entorpecente vinha (na carreta) embaixo de uma carga para que ele fosse oculto e, assim, dificultar o trabalho da polícia. A maconha chegava em uma chácara. Uma parte dela ficava no depósito e a outra já era distribuída. Neste ínterim, os traficantes ganhavam tempo para obter dinheiro com a venda da mercadoria e comprar ainda mais (na fronteira)", explicou.

Os cinco presos foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal de Londrina. Eles vão responder por tráfico de drogas e pelo agravante por fazer parte de um grupo criminoso composto por dois ou mais membros.

Fonte: Bonde News

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Prisão de Contrabandista de Cigarros | Polícia Federal em Londrina/PR

PF apreende contrabando de cigarros avaliado em R$ 1 milhão no Paraná

Carga apreendida em Maringá totalizou mais de 500 mil maços. Motorista foi preso e polícia investiga o restante da quadrilha. 

A Polícia Federal (PF) apreendeu um caminhão com uma carga de mais de 500 mil maços de cigarros contrabandeados do Paraguai, na tarde de quarta-feira (1º), em Maringá, no norte do Paraná. 

 O veículo tinha placas de Brasília e tinha saído de Foz do Iguaçu. A abordagem foi realizada em um posto de fiscalização na PR-444. A carga, avaliada pelos policiais em aproximadamente R$ 1 milhão, seria levada para Londrina, também no norte do estado. 

"A Polícia Federal sempre tenta combater o contrabando em grande escala. Isso comprova que na nossa região, onde é muito forte o contrabando de cigarros, os contrabandistas estão investindo cada vez mais em grandes cargas", relata o delegado Elvis Secco.

As investigações eram realizadas desde janeiro deste ano, segundo a PF. O motorista foi preso e deve ser liberado após pagar fiança. A principal suspeita da PF é que ele faça parte de uma quadrilha especializada no crime. "Nosso objetivo não é só apreender os cigarros, mas sim destruir economicamente essa quadrilha", completa o delegado. 

Os cigarros foram encaminhados para o depósito da Receita Federal. 

 Fonte: G1 PR

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Operação Fractal | Polícia Federal | Paraná



video
Vídeo Operação Fractal - Fonte: G1

PF combate rede de corrupção no PR liderada por assessor parlamentar

Grupo era voltado ao contrabando e à exploração de jogos de azar no Estado


Londrina, 25/04/2013 - Uma organização criminosa liderada por um assessor de deputado estadual do Paraná é o alvo da Operação Fractal que ocorre nesta quinta-feira no Estado e também em cidades do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O grupo era voltado ao contrabando e à exploração de jogos de azar em território paranaense. Segundo a Polícia Federal, há indícios de corrupção ou influência em setores das polícias Militar, Civil e Federal, Receita Federal, Receita Estadual, Ministério Público Estadual e Assembleia Legislativa do Paraná.

Ao todo, cerca de 250 policiais federais cumprem 40 mandados de busca e apreensão, 23 mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 29 mandados de condução coercitiva. As ordens judiciais estão sendo executadas nas cidades de Curitiba, Maringá, Medianeira, Foz do Iguaçu, Faxinal e Matinhos, no Paraná; em Porto Alegre e Canoas, no Rio Grande do Sul; e em Laguna e Joinville, em Santa Catarina.

A Polícia Federal iniciou a investigação em 2010, após representação do Ministério Público Federal de Umuarama (PR), e apurou que a quadrilha se valia de um “braço armado” formado por policiais militares lotados, em sua maioria, em rotas de contrabando no noroeste do Paraná. Além de facilitar a passagem da mercadoria do grupo, os policiais extorquiam contrabandistas concorrentes, repassando parte dos valores e dos produtos desviados de apreensões ao núcleo central do esquema. Além da liderança do assessor parlamentar, o grupo agia sob influência de oficiais da Polícia Militar ocupantes de postos chave que mantinham os policiais aliciados em equipes móveis e os auxiliavam em procedimentos disciplinares para praticar crimes, como contrabando de cigarros.

De acordo com a polícia, parte dos imóveis, bem como valores - suspeitos de terem sido adquiridos pelo grupo com dinheiro proveniente dos delitos - foram bloqueados por decisão judicial. Ao longo da investigação foram realizados diversos flagrantes e prisões de servidores públicos por suspeita de corrupção. A investigação, que está em segredo de Justiça, deverá realizar outras ações.

A operação recebeu o nome de Fractal em função da ramificação detectada nas investigações, que levou a quadrilha a se infiltrar em todas as esferas do Estado. Por um conceito matemático, “fractal” refere-se a uma forma geométrica que se auto repete dentro de si própria e parece sempre igual, independente da ampliação da imagem, assim como era a atuação do grupo.

Fonte: Terra

PF desarticula rede voltada ao contrabando no Paraná
Segundo a corporação, ações da organização aconteciam mediante intensa corrupção policial; assessor de deputado estaria envolvido
A Polícia Federal (PF) em Curitiba deflagrou, na manhã desta quinta-feira (25/04/2013), a "Operação Fractal", para desarticular organização criminosa voltada ao contrabando e à exploração de jogos de azar no Paraná. Segundo informações repassadas pelo órgão, as ações da rede aconteciam mediante intensa corrupção policial.

Cerca de 250 policiais federais cumprem 40 mandados de busca e apreensão, 23 mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 29 mandados de condução coercitiva. Além da capital, as ordens judiciais são executadas nas cidades paranaenses de Maringá, Medianeira, Foz do Iguaçu, Faxinal e Matinhos; em Porto Alegre e Canoas, no Rio Grande do Sul, e em Laguna e Joinville, em Santa Catarina.

A PF informou que iniciou a investigação em 2010, após representação do Ministério Público Federal (MPF) de Umuarama, e apurou que a quadrilha se valia de um "braço armado" formado por policiais militares lotados, em sua maioria, em rotas de contrabando no noroeste do Paraná.

Além de facilitar a passagem da mercadoria do grupo, os policiais extorquiam contrabandistas concorrentes, repassando parte dos valores e dos produtos desviados de apreensões ao núcleo central do esquema.

Ainda de acordo com a PF, a organização criminosa era liderada por um assessor de um deputado estadual do Paraná e por oficiais da Polícia Militar (PM) ocupantes de postos chave, que, em contrapartida, mantinham os policiais aliciados em equipes móveis e os auxiliavam em procedimentos disciplinares para perpetuar as práticas delituosas.

Ao longo dos trabalhos, foi detectado o cometimento de diversos crimes, inclusive de alçada estadual e militar, tudo girando em torno da lucrativa prática do contrabando de cigarros.

As somas dos valores oriundos da corrupção e repassadas ao assessor e seus contatos na corporação militar paranaense giravam em centenas de milhares de reais. Tal movimentação possibilitou a obtenção de grande patrimônio por parte dos integrantes da quadrilha, sendo que parte dos imóveis, bem como valores, foram bloqueados por decisão judicial.

Segundo a PF, o nome da operação é decorrente da capilaridade detectada nas investigações, que levou a quadrilha a infiltrar-se em todas as esferas do Estado. Por um conceito matemático, "fractal" seria um objeto que apenas encontraria regras na irregularidade, com grande capilaridade, definindo bem a atuação do grupo. Na investigação existem indícios de que a organização criminosa infiltrou-se, ou buscava influência, em setores das polícias Militar, Civil e Federal, Receita Federal, Receita Estadual, Ministério Público Estadual e Assembleia Legislativa do Estado Paraná.

A PF disse ainda que já foram realizados diversos flagrantes e prisões de servidores públicos por corrupção. A investigação, que estaria em segredo de justiça, deve realizar outras diligências.

Fonte: Bonde

PMs do PR são suspeitos de integrar quadrilha de contrabandistas

Segundo a Polícia Federal, a quadrilha atuava no PR, SC e RS. PMs e o assessor de um deputado estadual seriam os líderes do grupo

A Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação contra uma quadrilha de contrabandistas de cigarro que atua no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul na manhã desta quinta-feira (25/04/2013). Policiais militares paranaenses – lotados na região Noroeste – são suspeitos de integrar a quadrilha, de acordo com a PF. Os líderes do grupo seriam o assessor de um deputado estadual do Paraná e oficiais da PM.
Segundo a PF, os policiais facilitavam a passagem de mercadorias da organização criminosa e também extorquiam contrabandistas de grupos concorrentes. Parte dos produtos apreendidos era desviado para o esquema. Oficiais da PM, de acordo com a investigação, também aliciavam outros policiais de equipes móveis para colaborar com o grupo. A quadrilha também atuava no ramo dos jogos de azar.

Segundo a corporação, 250 policiais estão cumprindo 40 mandados de busca, 23 de prisão preventiva e seis de prisão temporária. Os policiais federais também conduzem 29 pessoas, de forma coercitiva, às sedes da corporação para prestar mais esclarecimentos.

No Paraná, os mandados são cumpridos em Curitiba, Maringá, Medianeira, Foz do Iguaçu, Faxinal e Matinhos. As cidades de Porto Alegre e Canoas, no Rio Grande do Sul, Laguna e Joinville, em Santa Catarina, também são alvo da Operação Fractal.

As investigações começaram em 2010, após uma representação do Ministério Público Federal de Umuarama (PR) sobre o esquema.

Há indícios que o grupo tentava também influenciar servidores públicos de órgãos estaduais e federais. Detalhes sobre a operação serão divulgados em uma coletiva de imprensa, em Curitiba, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná, na manhã desta quinta-feira. 

quinta-feira, 28 de março de 2013

Traficantes presos com 35Kg de crack | Polícia Federal de Curitiba


Dois traficantes são presos negociando 35 kg de crack; apreensão é a maior do ano em Curitiba

Aproximadamente 35 quilos de crack foram apreendidos em uma força tarefa da Polícia Militar e Federal no início da noite desta terça-feira (26/03/2013), no bairro Umbará, em Curitiba. A apreensão, que já é considerada a maior do ano, aconteceu em um posto de combustíveis às margens do Contorno Leste. Dois suspeitos de 36 anos foram presos e responderão por tráfico de drogas. 

Depois de receber informação de outra unidade da Polícia Federal, policiais foram até o local em que aconteceria a negociação da droga. Neste posto de combustíveis os suspeitos foram abordados no momento em que vendiam a droga. Com eles, a polícia descobriu aproximadamente vinte quilos de crack dentro do tanque de combustível do veículo Vectra, com placas de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Durante a madrugada os policiais encontraram mais quinze quilos de crack acomodados dentro do painel do carro.

 “Policiais da Força Tarefa Militar e Federal conseguiram acompanhar o veículo até este posto. Lá efetuaram a prisão no momento em que eles negociavam as drogas”, disse o delegado Marco Smith, da Polícia Federal, explicou como eles chegaram até os criminosos. De acordo com o delegado, a droga pode ser boliviana. O capitão Alexandre, da Polícia Militar, explicou que como foi uma abordagem rápida os suspeitos não tiveram tempo de reagir. “Eles não reagiram e de pronto logo responderam a voz de abordagem”. A quantidade de crack é a maior apreensão do ano deste tipo de droga em Curitiba.

Fonte: BandaB

Polícia Federal de Londrina/PR prende traficante

PF prende indivíduo por tráfico de drogas em Arapongas/PR.

Por volta das 14h de quarta-feira, 27/03/2013, o nacional F.F.M., 28 anos, foi abordado por Policiais Federais de Londrina na Rodovia BR-369, na altura do Pedágio de Arapongas/PR, quando conduzia um veículo GM/Monza.

Muito nervoso, F.F.M. admitiu que trazia entorpecentes acondicionados nas portas do veículo e foi encaminhado até a Delegacia de Polícia Federal em Londrina/PR, para que fosse submetido a revista. Durante a revista, os policiais encontraram 42 tabletes de maconha escondidos nos forros laterais das quatro portas do automóvel. A Polícia Federal permanece realizando vistoria minuciosa no veículo, a fim de verificar se F.F.M. também transportava armamento ou munições consigo.

O indiciado será interrogado pela Autoridade Policial e posteriormente encaminhado para custódia da Polícia Federal em Londrina/PR, onde permanecerá à disposição da Justiça e responderá pelo crime de tráfico de drogas, com pena mínima de 5 e máxima de 15 anos de reclusão.

Fonte: Comunicação Social da Delegacia de Polícia Federal em Londrina/PR

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Polícia Federal de Londrina apreende armas, munições e cocaína

Agentes da Polícia Federal de Londrina apreenderam nesta tarde de quinta-feira (21FEV2013) armas, munições e cocaína...